Um banquete na rua

Um banquete na rua

Estreou ontem a peça Amoradores de Rua. Ambientada no entorno do prédio da Universidade Federal do Paraná (Reitoria), a encenação expressa o convívio de pessoas que adotaram a rua como um lar. Diferente destas duas primeiras linhas, não há nada de convencional na peça. Antes dos detalhes, um adendo: vale conferir a ficha técnica e espiar o blog (amoradores.blogspot.com) pois o grupo é digno de nota.

Os que não ficam aturdidos com as cenas podem rir. A graça é irônica e o choque é trágico. Afinal, a rua é chocante aos olhos do hipócrita, pois ela é o convívio comum e o intimo dos nossos dias transmutado na encenação do dia-a-dia. Não há nada ali que não seja cotidiano e comum, resguardado o pitoresco, expressão poética do humano em conflito com o ser. Mas tudo isso é pouco, pois perdido em cada esquina há um devorador de gente.

“A luta entre o que se chamaria Incriado e a Criatura – ilustrada pela contradição permanente do homem e o seu Tabu. O amor cotidiano e o modusvivendi capitalista. Antropofagia. Absorção do inimigo sacro. Para transformá-lo em totem. A humana aventura. A terrena finalidade. Porém, só as puras elites conseguiram realizar a antropofagia carnal, que traz em si o mais alto sentido da vida e evita todos os males identificados por Freud, males catequistas. O que se dá não é uma sublimação do instinto sexual. É a escala termométrica do instinto antropofágico. De carnal, ele se torna eletivo e cria a amizade. Afetivo, o amor. Especulativo, a ciência. Desvia-se e transfere-se. Chegamos ao aviltamento. A baixa antropofagia aglomerada nos pecados de catecismo – a inveja, a usura, a calúnia, o assassinato. Peste dos chamados povos cultos e cristianizados, é contra ela que estamos agindo. Antropófagos.”*

Explico: em tudo há amor e humor. Todas as falas são repletas desses dois sentimentos universais e que parecem traduzir a própria condição de existir. Assim como esta matéria engole o trecho do Manisfesto Antropofágico de autoria do escritor Oswald de Andrade(entre aspas), repetidas vezes o Manifesto é fala dos atores. Sem delongas, destaco a mixagem sonora e o cenário, referências digeridas e incorporadas no corpo do espetáculo. Reitero: vale a conferida no blog, para saber dos detalhes.

Aliás, tudo explicadinho, tim-tim por tim-tim, não. Tem que conferir. Assim, abaixo segue a programação do banquete. Desejo-lhes muita fome e um bom apetite!

http://amoradores.blogspot.com
*Fonte: http://antropofagia.uol.com.br/

Serviço:

Amoradores de Rua
31/03 a 11/04
Quarta a sábado 22h30
Domingo 20h30
Local: Espaços externos da Reitoria (Esquina da Rua XV de Novembro com Rua General Carneiro)
Entrada Franca

Ficha Técnica:

direção: Rafael Camargo
texto: Criação colaborativa
elenco: Adriano Pettermann, Diego Marchioro, Felipe de Souza, Marcel Szymanski, Martina Gallarza e Maurício Vogue
cenografia: Gabriel Gallanza e Maria Baptista - Oficina Projetos
lambes: Leco de Souza e Leonardo Pimentel
iluminação: Fernando Dourado
sonoplastia: Adriano Pettermann e Leonardo Pimentel
figurino e adereços: Juliane Engelhardt
preparação corporal: Maurício Vogue
produção de vídeo: Alan Raffo e Felipe de Souza
fotógrafo: Leco de Souza
realização: Roda Cia. Brasileira de Teatro

Não sabe onde ir hoje?

Rua Mateus Leme, 2204 Bom Retiro
Curitiba , PR

John Bull Pub

O John Bull Pub foi inspirado nos pubs londrinos e tornou-se referência em rock'n'roll ao vivo em Curitiba. A casa possui três ambientes: parte central onde está o palco, com camarotes; jardim de inverno e porão para um...
(41) 3252-0706
Avaliação:
Total de votos: 5047