A oração mais bonita é do mundo

A oração mais bonita é do mundo

Nas ruas, na rede, de noite e de dia. Até com a mãe: não se fala de outro assunto. A “Oração” dA Banda Mais Bonita da Cidade já salvou mais de 700 mil corações conectados pela rede – certamente atingirá o primeiro milhão antes do fim de semana se findar. O clipe já extrapolou o Brasil e a banda já é a mais bonita em outras tantas cidades pelo mundo.

O fenômeno já não é mais novidade, por isso, não causará surpresa se o vídeo aparecer nas últimas horas de domingo para atenuar a contagem regressiva de mais um dia de trabalho – esteticamente ele cairá como uma luva na programação global.Nesses quatro dias é difícil conhecer alguém que ainda não tenha visto o clipe, tornando-se assunto para qualquer roda. Difícil é ouvir uma consideração negativa e mesmo quem a faz, admite seus méritos.

E que méritos são esses?

Primeiro a composição de Leo Fressato. Se pensarmos no título “Oração”, encontramos uma chave para algumas características da música: o constante clímax – como se tivesse apenas refrão – e a repetição. Assim eu fazia quando rezava de noite – repetia algumas vezes a mesma oração - ou quando tinha reza em casa com as tias em coro, de conta em conta até o fim do terço (Assistir esse vídeo aqui é ilustrativo).

Mas o maior mérito está na melodia, que é bonita e de rápida assimilação - cola na mente. Essa melodia somada à letra (e seu discurso redentor de corações) torna “Oração” uma peça pop em todos seus ingredientes – e o mundo é pop, a imprensa é pop e o papa é...

O papel do vídeo dentro do fenômeno é fundamental - não consigo separar música e vídeo. O plano sequência foi genial no sentido do fluir da narrativa, assim como a ideia da coisa ir crescendo, agregando elementos sonoros e visuais. Essa jogada contribuiu muito, a meu ver, para que nada pareça chato, repetitivo. Tudo muito bem realizado, apesar do caráter informal.

As comparações com o Beirut são inevitáveis, até mesmo pela banda. E nisso está mais uma característica pop. Ouvi pela boca do músico Téo Ruiz a seguinte frase de André Abujamra: “Tudo que é bom é meu”. Ou seja: se é bom eu me aproprio e já era... Essa é a realidade de hj, se não de sempre. Só o que não vale é o plágio, de resto vale tudo.

O melhor é que essa exposição midiática é excelente para a cena, não só musical, mas cultural de Curitiba. Somando os vários pontos positivos que apresentamos, damos mais um passo rumo ao reconhecimento nacional, e também rumo a consciência de que sim!, aqui se faz e com qualidade.

Não sabe onde ir hoje?

Rua Treze de Maio, 629 Largo da Ordem
Curitiba , PR

Teatro Lala Schneider

O Teatro Lala Schneider  é conhecido por seus espetáculos sempre lotados e também pelo curso de artes cênicas, que já revelou grandes nomes da cena nacional. O local é de iniciativa privada e foi fundado em 1994 pelo...
(41) 3232-4499
Avaliação:
Seu voto foi 5. Total de votos: 5225