A Falsa Suicida, por Cilene Tanaka

Uma mulher se joga duma janela e cai sobre um homem que fica aleijado pelo resto de sua vida. Ele agora tem de usar um gênero de armadura encaixada em sua coluna. Ela troca e troca e troca de roupa sempre voltando a ficar nua. E isto é uma metáfora. Ele a quer. Quer tudo dela. Tudo o que ela não tem. Horácio e Ofélia. Mas a voz de Ofélia não nos alcança. Estará ela muito enfiada no cubículo onde trabalha desnudando-se para homens ou será que alguém não viu que sua voz não chega? A voz de Horácio, entretanto, é incomodamente alta. E agradável. Mas muito alta. Ofélia talvez tenha se despido muito rápido: mal pude ver seu vestido e já a vira presa. Não houve contradição suficiente para o efeito aparentemente buscado. Ele forja a voz duma boneca Barbie (ou Suzi) enquanto Ofélia se ajeita para a próxima cena: hilário. Mas não provoca gargalhadas. Por alguma razão não provoca gargalhadas. Um dia chuvoso não é de se gargalhar. Mas é que o tema é suicídio. Pode ser o frio. 

Quando Horácio entra no palco decidido a tomar Ofélia em seus braços, a coisa não é romântica como faço soar. Ao menos não na concepção convencional de romance. Horário e Ofélia de Shakespeare, saem das beiradas para se tornarem a história principal, essencial. Ele usa aquela armadura terrível que só se vê quando tira o casaco. Ela se assusta com a invasão, tem medo de se aproximar do outro porque “a morte do outro é o pior que poderia acontecer”. Pior que a própria morte. E eles nos reiteram isso. Através da fala. Através da fala. E através da fala. Sinto um receio emanando dos atores. Talvez não queiram se molhar na chuva lá fora. Talvez a platéia vazia os tenha desestimulado. Quem sabe as piscinas do próprio cenário que sequer precisa comentários já que é extremamente, escandalosamente o protagonista. Mas não era medo das personagens. Emanava dos atores. Ela pergunta: “se masturbou”? Ele diz que não. E seguirá assim dizendo por bom tempo. Depois ele brinca de boneca e, quando volta, diz que se masturbou só para agradá-la. Ela fica feliz da vida. Um texto assim exige coragem. Mas ir muito fundo dá medo. Sei bem. Todos sabemos. Esta é mais uma razão para irmos ao teatro.

Ele havia subido no palco de streap tease para buscá-la. Ele arrasta o palco um pouco mais para a frente. Ela grita assustada. Nós ansiamos por olhar seus rostos ocultos pela luz e pela distância da platéia. Só no final gozaremos com a proximidade. E ela põe um vestido de noiva e morre dizendo que, na verdade, não se jogara da janela. Um vestido branco. Rosas vermelhas. Uma mulher semi-nua e um homem segurando seu tórax quase abandonado. Lindo. Mas preferiria ter visto isto em silêncio, sem o abalo poluído de falas enxarcadas dum drama que, diante das rosas vermelhas...rosas já são rosas e vermelhas são já vermelhas. O espetáculo inteiro me forja sensações com potencial avassalador. Nenhum potencial, nenhunzinho se resolve em mim porque as cenas parecem não se integrar. Queria muito ter sentido tudo o que me queriam fazer sentir. Só que havia chuva: na gente e lá fora. Quiçá nos ensaios houvesse alguma neblina. Quiçá se esta neblina tivesse sido incorporada ao espetáculo. Mas neblina, dizem, é sinal de sol no dia seguinte. 

Não sabe onde ir hoje?

Rua Benjamin Constant, 400 Centro
Curitiba , PR

Café Parangolé

Estamos abertos todos os dias! De segunda a sexta: das 11h30 as 14h30 (almoço da Conchero - Confraria dos Chefs Roqueiros) Todos os dias: das 18h00 a 01h00 (Venha jantar e de QUINTA a DOMINGO aproveite para escutar o...
(41) 3092-1171
Avaliação:
Total de votos: 3505